Bem vindo. Este blog tem por finalidade registar e divulgar informações sobre a Romaria e Festas a S. Gens e Nossa Srª do Rosário, realizadas entre 8 e 30 de Agosto de 2004, na freguesia de Boelhe, concelho de Penafiel. Recordar com a saudade vivida.

.posts recentes

. Agradecimentos para uma v...

. Relatório de Contas

. Sabia que...

. Fotos e divulgação das fe...

. Em festa: eis o início da...

. Um ano de trabalho... as ...

. Percorrer o passado bem p...

. História de Boelhe

. S. Gens: a vida e a orige...

. Programa Festivo

.pesquisar

 

.links

.arquivos

. Setembro 2004

. Agosto 2004

.mais sobre mim

.Setembro 2004

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds

Quinta-feira, 9 de Setembro de 2004

História de Boelhe

 

 

  

 

“... a fauna e a flora, é tudo quanto há de mais interessante, pela execução, pelo rigor do cinzel e pelo eloquente significado dos símbolos e das alegorias”. Prof. Joaquim de Vasconcelos

 

Com a sua vetustíssima e formosa igreja românica, é um dos belos miradouros desta paisagem de Riba-Tâmega. Originária do Latim "Villa Bonelli", Boelhe é uma aldeia portuguesa, terra milenar, sita no concelho de Penafiel, com 4,83 km² de área, com aproximadamente 1.900 habitantes e 600 fogos (Censos 2001).

 

 

 

 

 

De antiquissímas raízes, na meia encosta da Serra do Esporão, espreguiça-se serena, sobranceira aos rios Douro e Tâmega, tem como lema o labor da sua população, a amabilidade das suas gentes. As belezas naturais são um convite para quem as desfrutem. Levanta-se o tempo e tudo se entrelaça para servir de aposento ao homem. Aqui se instala. Domestica animais e paisagens, descobre a agricultura, constroi monumentos e transforma em objecto de culto gigantescas pedras onde crepitam preces antigas, santificam-se os lugares e abre-se o aposento de outro tempo.

 

Integrada numa paisagem que estima pela decoração vegetal sempre feita a bisel, de desenho perfeito e no tamanho dado à palmeta que se torce e decora capitéis, a freguesia é dominada pela Igreja Românica de S. Gens M.N ., relíquia arquitectónica dos primeiros tempos da nacionalidade.

 

 

 

Como as marcas dos ourives e os selos dos notários, as siglas de canteiro que aparecem em todas as pedras exteriores, reflectem o prestígio desse ofício naquela época. Trata-se, sem dúvida, “apesar da sua obscuridade rural, de um dos mais característicos marcos — verdadeiros marcos de posse — com que os cristianizadores daquela época heróica assinalaram a sua marcha vitoriosa nos longos caminhos da terra hereditária reconquistada ao invasor sarraceno” — pode ler-se no “Boletim 62, Dezembro 1950, da Direcção-Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais.

 

 

 

É, sem adições nos restauros, uma verdadeira jóia românica, belíssimo exemplar do românico rural, talvez a mais completa do concelho de Penafiel, e, na verdade, das poucas que na fachada — do lado da Epístola — conservam o campanário primitivo, o que ainda mais a valoriza. Como pedra de toque da sabedoria arquitectónica dos antigos mestres de maçonaria, medievos, será difícil apontar outra que a suplante.

 

 

O direito de apresentação da antiga abadia pertenceu aos monges regrantes de Santo Agostinho do Mosteiro de Vila Boa do Bispo. A sua construção (ou ao menos o pensamento inspirador da edificação) tem sido conjecturalmente atribuída, a D. Mafalda de Sabóia, mulher de D. Afonso Henriques e primeira rainha de Portugal.

 

“Certo, não se tentou erguer ali, nessa terra ainda mal povoada, entre as águas benfazejas do rio Tâmega e as ásperas ladeiras do grande monte do Esporão, uma obra monumental, de proporções catedráticas — esclarece o já referido boletim —; cuidou-se, todavia, de fazer alguma coisa mais que uma simples orada aldeã, isto é, um edifício nobre que nobremente acolhesse os viandantes desejosos de honrar a Deus, ou atraísse àqueles lugares, com a esperança de maiores bens, os colonos indispensáveis ao aproveitamento e valorização do solo”.

 

 

 

 

No exterior do templo, destacam-se o belo portal românico, com os seus preciosos capitéis, e um friso de modilhões finamente lavrados. “Em alguns capitéis, a pedra como que floresce, formando estranhas corolas em que se lê, por vezes, o pensamento que as gerou”. Interiormente o edifício permanece intacto. Pertence ao fim do século XII. Junto à entrada, do lado esquerdo, exteriormente, existe uma pia também românica.

 

Referindo-se à decoração arquitectónica da Igreja de Boelhe , o arqueólogo e professor Joaquim de Vasconcelos comenta: “...a fauna e a flora, é tudo quanto há de mais interessante, pela execução, pelo rigor do cinzel e pelo eloquente significado dos símbolos e das alegorias”.


Do adro da igreja, a nordeste, goza-se de belo ponto de vista sobre o rio Tâmega. Na margem oposta sobressaem a igreja de Vila Boa do Bispo, no concelho de Marco de Canaveses, e a igreja de Abragão.

 

 

Principais locais a merecer a sua visita:

 

 

·    Igreja Românica de S. Gens M.N .)

·    Igreja Paroquial

·    Parque Urbano Padre Serra e Imaculado Coração de Maria  

·    Lugar de Passinhos "Bouça do Ouro" e Capela de S. Miguel

·    Encosta Vinhateira do Rio Tâmega e praia fluvial

·    Alminhas de Bairros

·    Serra do Esporão e culto às preces das gigantescas pedras 

·    Quintas Senhoriais

 

+ info:

·          Junta de Freguesia de Boelhe

·          Blog sobre Boelhe

  

Fonte: Jornal Paroquial "Villa Bonelli", Junta de Freguesia de Boelhe e Anafre

 

 

BOELHE

um milénio com história...

 

  

Junta de Freguesia de Boelhe

 

Largo da Arca * Tel. 255 941 101

 


publicado por a nossa terra às 18:02

link do post | comentar | favorito
|