Bem vindo. Este blog tem por finalidade registar e divulgar informações sobre a Romaria e Festas a S. Gens e Nossa Srª do Rosário, realizadas entre 8 e 30 de Agosto de 2004, na freguesia de Boelhe, concelho de Penafiel. Recordar com a saudade vivida.

.posts recentes

. Agradecimentos para uma v...

. Relatório de Contas

. Sabia que...

. Fotos e divulgação das fe...

. Em festa: eis o início da...

. Um ano de trabalho... as ...

. Percorrer o passado bem p...

. História de Boelhe

. S. Gens: a vida e a orige...

. Programa Festivo

.pesquisar

 

.links

.arquivos

. Setembro 2004

. Agosto 2004

.mais sobre mim

.Setembro 2004

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds

Quinta-feira, 9 de Setembro de 2004

Percorrer o passado bem presente das festas

Não existe uma data precisa do inicio das festividades a S. Gens. O monumento nacional em sua homenagem data do séc. XII, logo é muito provável que a devoção por este santo, oriundo dos Pirenéus, tenha começado ainda nos primeiros tempos da conquista de Portugal.

 

 

Sugere-se ainda que, D. Mafalda de Sabóia, esposa de D. Afonso Henriques, a grande obreira deste tempo, tenha visitado este local e como forma de venerar o santo S. Gens, deixado a edificação deste belo templo.

 

Os séculos foram passando, e a verdade é que tinham lugar neste templo cerimónias que chegaram a revestir-se de inegável interesse cultural. Ora, a este respeito, constituía um verdadeiro regalo espiritual ver toda uma paróquia - homens e mulheres, novos e velhos, adultos e adolescentes - afluir à igreja e cantar com harmonia, compasso e elevado sentido religioso.

  

 
Igreja Românica S. Gens M.N .) Igreja Paroquial S. Gens (1933)

 

Entre 1971 a 1980, as festividades a S. Gens não foram realizadas, tempos de muita instabilidade a nível nacional, não fosse tratar-se do final de uma ditadura, o 25 de Abril de 1974 e o início de uma nova democracia.

 

 

Então, surge um grupo de habitantes que dá inicio a um novo ciclo e rumo nas festividades. Começam a surgir as melhores bandas de música do país, casos das bandas de Revelhe, Pevidém ou Famalicão, criam-se enormes arraiais festivos, contratam-se nomes da música popular da rádio e televisão, casos de Marco Paulo, Ágata, Roberto Leal, Jorge Ferreira ou, como este ano, Emanuel e afamados ranchos folclóricos do Douro e Minho.

 

 

A tradição manda que na noitada de Domingo para Segunda, seja queimada uma sessão de fogo "à Boelhe", popular em toda a região e que atrai sempre milhares de pessoas.

 

 

Para a realização das festas, a Comissão nomeada tem pela frente um longo ano de trabalho. São realizadas enumeras actividades em prol de receitas para as custear.

 

 

Boelhe vive para as suas festas, brilha durante esta semana e depois volta a uma rotina de calmaria aparente...

 


publicado por a nossa terra às 18:03

link do post | comentar | favorito